Lendo mulheres: Angélica Freitas

Lendo mulheres: Angélica Freitas. capa do livro Um útero é do tamanho de um punho

Um útero é do tamanho de um punho ~Angélica Freitas

A pelotense Angélica Freitas relançou recentemente seu segundo livro e sua maior obra poética: Um útero é do tamanho de um punho, escolhido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte como o melhor livro de poesia de 2012.

Na obra, de estética modernista, Angélica desvenda em rimas o (não tão doce) mundo das mulheres: seus pensamentos, seus deveres e sua imagem na atualidade, impostas por uma sociedade machista e heteronormativa.

Contudo, a autora consegue não levar a crítica para a mesmice, falando sobre a temática de maneira sutil e com muito bom humor e irreverência, além da diversidade das abordagens.

Fala, por exemplo, das mulheres não aceitas pela sociedade do jeito que são:

[…] uma mulher gorda

incomoda muita gente

uma mulher gorda e bêbada

incomoda muito mais […]

De homofobia:

amélia que era mulher de verdade

fugiu com a mulher barbada

barbaridade

[…]

De mulheres trans:

[…] pois agora eu virei mulher

me operei e virei mulher

não precisa me aceitar

não precisa nem me olhar

mas agora eu sou mulher

 

Enfim, trata-se de um livro feminista, que consegue dialogar com a ideia de construção da mulher concebida por Judith Butler. É uma obra muito gostosa de se ler e de leitura rápida e profunda, valendo muito o investimento.

Angélica também escreveu Rilke Shake (2007) e traduz obras de outras poetisas para a revista Modo de Usar & Co.

 

A série “Lendo mulheres” tem o intuito de promover a leitura e o conhecimento de obras escritas por mulheres, muitas vezes encobertas por um mundo científico e literário dominado por homens.

Deixar um comentário