Férias escolares – e agora José?

Eu queria, ah como queria, escrever sobre qualquer coisa, sobre as tensões politicas desse ano de eleições polarizadas, sobre a onda do feminismo ‘vai malandra’, sobre o clipe lacrador, sobre as mudanças de planos e as voltas que a vida dá, mas… as crianças estão de férias!

Tenho da hora que acordo até a hora de dormir dois pedaços do meu DNA correndo pela casa, gritando, brigando, derrubando migalhas pelo chão e preenchendo cada pedaço da minha mente e do meu dia, de modo que não há espaço pra se pensar em mais nada além delas por mais de 2 minutos, que é o máximo de tempo que consigo moldar um pensamento ou ideia antes do próximo grito de: “Mãe, ela tá puxando meu cabelo de novo!”.

Sim pessoas, estou falando sobre as férias escolares e como um período tão curto de tempo pode levar qualquer pessoa sem planejamento ou rede de apoio a mais completa e solitária loucura.

E que atire a primeira pedra a primeira mãe ou pai que durante esse período não se trancou nenhuma vezinha no banheiro jogando Candy crush no celular fingindo que faz suas necessidades diárias só pra ter um segundo de paz.

Aqui são duas crias com 7 anos de diferença, uma quer brincar de faz de conta, a outra quer correr como Alain Prost. A mais velha quer assistir um programa inédito, a coisa 2 quer assistir o mesmo clipe de Elsa cantando Let it Go pela vigésima vez no dia.

Mas apesar dos momentos de tensão beirarem a um Thriller dirigido por Kubrick os entrepontos são recheados de pôneis saltitantes e musicais da Disney.

E se a identidade feminina fica em segundo plano nos primeiros anos da maternidade é certamente no períodos de ferias que a sanidade materna desce pelo ralo, entope os canos e ainda fode o orçamento doméstico pra bancar os reparos.

Por isso nesse período fora da rotina e onde a maior parte das atividades extra curriculares estão paradas e os resorts cobram um fígado por diária é importante contar com planejamento e, se possível, com uma boa rede de apoio.

As programações dos sesc’s e museus são especiais nesse período e ainda contam com a vantagem da maravilinda gratuidade e do envolvimento social com outras crianças e famílias.

Vários shoppings também montar um cronograma diferenciado e se a grana tá curta por conta do IPTU, IPVA, matricula escolar, material escolar e todo o resto que chega feito uma avalanche de prestações no inicio do ano, dá também para se planejar e ficar em casa, com caças ao tesouro, fazendo bolo juntinhos, pipoca e filmes e mais uma série de coisas que precisam apenas de criatividade e disposição.

No final do dia, depois que seus rastros de código genético estiverem hibernando até a manhã seguinte, abre uma cerveja, toma uma taça de vinho, um banho, assiste pelo menos um episódio daquela série bacana e aguenta firme, todo esforço vale a pena pra que nossas crianças tenham boas memórias de suas infâncias e principalmente das férias em família.

 

 

 

 

Deixar um comentário